12º Felit - Festival de Literatura de São João del-Rei e Tiradentes Festival de Literatura de São João del-Rei e Tiradentes
26 a 30 de Setembro de 2018

Convidados

01 – Luiz Ruffato

Ficcionista, poeta e cronista, Luiz Ruffato é um maiores nomes da literatura brasileira atual. É mineiro de Cataguases, com formação em comunicação pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Antes de ser escritor profissional ele exerceu várias atividades: trabalhou como auxiliar de pipoqueiro, caixeiro, balconista de armarinho, operário têxtil, torneiro-mecânico, professor, gerente de lanchonete, vendedor de livros ambulante e jornalista. Nesta profissão, fez carreira em São Paulo.  Desde 2003 dedica-se exclusivamente à literatura, com uma trajetória rica em livros e prêmios. Sua estréia na prosa se dá com o romance Eles eram muitos cavalos, em 2001, Prêmio Machado de Assis e Prêmio APCA, saudado pela crítica como um dos mais importantes livros da ficção brasileira contemporânea. É autor da sequência Inferno Provisório, composta pelos livros Mamma, son tanto felice (2005, Prêmio APCA), O mundo inimigo (2005, Prêmio APCA), Vista parcial da noite (2006, Prêmio Jabuti), O livro das impossibilidades (2008) e Domingos sem Deus (2011, Prêmio Casa de las Américas). Seus livros estão publicados em vários países, como Portugal, Itália, França, Argentina, Colômbia, México, Alemanha, Cuba e Estados Unidos. Ele também destaca-se como organizador de inúmeras antologias. Por sua trajetória e por ser um dos mais expressivos e respeitados autores brasileiros da atualidade, o FELIT presta, assim, homenagem ao escritor.

02 – José Eduardo Gonçalves

Natural de São João del-Rei, é jornalista, editor e escritor. Formado em Comunicação pela PUC-MG, foi editor-geral da revista de cultura Palavra. Presidiu a Rádio Inconfidência e a Rede Minas de Televisão. Autor dos livros  Cartas do Paraíso (Mazza, 1998) e Vertigem (Record, 2003), foi organizador do livro “Ofício da Palavra” (Editora Autêntica, 2014), ganhador do Prêmio Cecília Meireles 2015 de Melhor Livro Teórico, da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil. É editor da coleção “BH. A Cidade de Cada Um”, já com 31 títulos publicados, e também da coleção “Beagá PERFIS”, com 3 títulos.  É curador de vários projetos literários em Belo Horizonte. Aqui, ele é o curador do FELIT desde 2010. É um dos quatro fundadores e editores da recém-criada revista literária Olympio.

03 – Ana Elisa Ribeiro

Ana Elisa Ribeiro nasceu em Belo Horizonte, em 1975. É professora e pesquisadora do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais-CEFET, doutora em Linguística pela UFMG. Autora de vários livros de poesia, conto, crônica e infanto-juvenis, ela tem mais de 20 anos de dedicação à literatura. Semifinalista do prêmio Portugal Telecom, sua obra Anzol de pescar infernos, virou o espetáculo Só, com anzóis, exibido no Sesc Palladium, em 2016, produção feita em parceria com a poeta Adriane Garcia e com o músico Paulo Sérgio Thomaz.  Neste mesmo ano de 2016 ela ganhou o Prêmio Cidade de Manaus com a obra “Álbum”, que ficou inédita até recentemente, quando ela foi lançada pela editora belo-horizontina Relicário. Mais recentemente ainda, em agosto, Ana Elisa lançou o livro “Renascença”, dedicado ao bairro onde nasceu e mora, em Belo Horizonte. O livro faz parte da coleção BH.A Cidade de Cada Um.

04 – Maria Valéria Resende

Uma das escritoras mais talentosas e premiadas da literatura brasileira contemporânea. Tem 75 anos. Desde 1965 é freira missionária da Congregação de Nossa Senhora – Cônegas de Santo Agostinho. Graduou-se em Língua e Literatura Francesa pela Universidade de Nancy e em Pedagogia pela PUC-SP. Fez mestrado em Sociologia na Universidade Federal da Paraíba. Na década de 1960 começou a trabalhar com educação popular, atuando em diferentes regiões do país e em todos os continentes, em programas de formação de educadores. Viveu no sertão de Pernambuco e em Recife/Olinda de dezembro de 1972 a 1976. Mudou-se para a Paraíba em 1976, morando no Brejo Paraibano e, desde 1988, em João Pessoa. Em 2009 ganhou o Prêmio Jabuti na categoria literatura infantil com No risco do caracol; em 2013, categoria juvenil, com Ouro dentro da cabeça; e em 2015, nas categorias romance e Livro do Ano de Ficção, com Quarenta dias. Em 2017 recebeu o Prémio Casa de las Américas pelo livro Outros Cantos, e, pelo mesmo romance, ganhou o Prêmio São Paulo de Literatura e o terceiro lugar no Prêmio Jabuti em novembro de 2017. Foi um dos destaques da FLIP nas duas últimas edições.

05 – Rogério Pereira,

Escritor, editor e Diretor da Biblioteca Pública do Estado do Paraná, Rogério Pereira nasceu em Galvão, no estado de Santa Catarina, em 1973. De origem humilde, filho de pais semianalfabetos que viviam da roça, Rogério teve a sua vida transformada pelos livros. Ele já vendeu flores na rua e trabalhou em fábrica. De motoboy do jornal Gazeta Mercantil, acabou tornando-se jornalista. Chegou a ser chefe de redação do jornal Gazeta do Povo e foi parar na Espanha, onde fez um mestrado em Literatura. Rogério fundou em 2000 o jornal literário Rascunho, conhecido e respeitado no Brasil todo. Além do Rascunho, ele dirige o projeto Paiol Literário, que é uma série de entrevistas realizadas em Curitiba com escritores brasileiros. Em 2013, Rogério Pereira lançou o romance “Na escuridão, amanhã”, pela Cosac Naify. Nos últimos anos, ele tem feito curadorias em bienais e outras feiras literárias.

06 – Sônia Moraes Haddad

Formada em Letras e especialista em Teoria e Práticas de Leitura pela PUC-Rio. Pós-graduada e especialista em literatura infantil e juvenil pela PUC-Minas. Membro e consultora do grupo ARTEAR- BH, nas áreas de literatura e narrativas de histórias da infância. Professora de literatura das Oficinas de Jovens Autores do FELIT. Poeta e autora dos livros: “Palavra Limada”; “Infância em Conceição do Mato Dentro”; “Entremeios de Cheiros e Chitas”.

07 – Lucas Figueiredo

Jornalista e escritor, nasceu em Belo Horizonte em 1968. Recebeu três prêmios Esso, dois Vladimir Herzog e um Jabuti. Foi repórter da Folha de São Paulo e colaborador da rádio BBC de Londres. Também atuou como pesquisador da Comissão Nacional da Verdade e consultor da Unesco. É autor dos livros-reportagem Morcegos negros e Ministério do silêncio, entre outros.

08 – Maria Esther Maciel

É escritora, crítica literária e professora titular de Literatura Comparada na UFMG. Publicou, entre outros, os livros Triz (poesia, 1998), A memória das coisas – ensaios de literatura, cinema e artes plásticas(ensaios, 2004), O livro de Zenóbia (ficção, 2004), O livro dos nomes (ficção, 2009) A vida ao redor (crônicas, 2014) e Literatura e animalidade (ensaio, 2016). É também coordenadora editorial da revista Olympio – literatura e arte. Tem contos, poemas e ensaios em revistas e antologias do Brasil e do exterior.

09 – Maria Angela de Araújo Resende:

Doutora em Literatura Comparada, professora de Teoria Literária e Literatura Brasileira, pesquisadora do Programa de Mestrado em Letras e no Programa de Mestrado Interdisciplinar em Artes, Urbanidades e Sustentabilidade da UFSJ.

10 – Conceição Evaristo

Aos 71 anos, Conceição Evaristo é um dos nomes mais relevantes e necessários da literatura brasileira contemporânea, com projeção internacional. Mineira, de Belo Horizonte, nasceu no morro do Pindura Saia, na favela no Alto da Avenida Afonso Pena. Ela trabalhou como empregada doméstica até se mudar para o Rio de Janeiro, aos 25 anos, onde passou num concurso público para o magistério. Graduou-se em Letras, é mestra em Literatura Brasileira pela PUC-Rio e doutora em Literatura Comparada pela Universidade Federal Fluminense. É autora, entre outras obras, do romance Ponciá Vicêncio, de 2003, de Becos da Memória(2006), Insubmissas lágrimas de mulheres (2011), Olhos d’água (2014) – Prêmio Jabuti,  e Histórias de leves enganos e parecenças (2016). Em 2017 ganhou o prêmio Governo de Minas de Literatura, um dos mais importantes do país. É a primeira escritora negra a receber este prêmio desde que ele foi criado, em 2007.  Atualmente, ela é candidata à cadeira número 7 da Academia Brasileira de Letras.

11 – Lucas Guimaraens

Atual Superintendente de Bibliotecas Públicas e Suplemento Literário da Secretaria de Estado de Cultura de Minas Gerais, Lucas Guimaraens é, antes de tudo, um poeta. Um escritor de alta linhagem, que carrega a herança poética familiar de Bernardo Guimarães, Alphonsus de Guimaraens, Alphonsus de Guimaraens Filho e Afonso Henriques Neto. Ele tem cinco livros publicados, o mais recente deles “Exílio – o lago das incertezas”, que saiu aqui pela editora Relicário, mas que já tinha sido publicado ano passado, na França, onde estudou direito e filosofia na Universidade Paris 8 e Paris X.  Ele retornou ao Brasil em 2010, mas continua com vínculos na França, onde ele é editor da L’Harmattan. Em 2014, Lucas Guimaraens foi curador do Festival Internacional de Poesia de Istambul, Turquia; em 2016, do Circuito das Letras, em Belo Horizonte, e em 2017, da Bienal Internacional de Poetas de Paris/Val-de-Marne. Em 2016, tornou-se coordenador do Plano Estadual do Livro, Leitura, Literatura Brasileira e Bibliotecas, que visa a garantir o acesso aos livros e a formalizar políticas públicas de fomento e democratização da leitura em Minas Gerais.

12 – Márcia Paschoallin

Autora, com mais de 20 livros publicados. É licenciada em Letras pelo CES/Juiz de Fora. Desenvolve projetos de contações de histórias, como ferramenta educacional para várias escolas da região Campo das Vertentes. Mora em Carandaí/Minas Gerais, onde abriu o espaço “Sala de Leitura Cecília Meireles”, com o objetivo de receber alunos para sessões de contação de histórias. É criadora e diretora do grupo de teatro de fantoches “MALIKÉ-BEM-MIKÉ, também atuando na região. Foi diretora-administrativa e colunista (Usina de Letras) do jornal: O Portal (Carandaí-MG).

13 – Fabíola Farias

Doutora em Ciência da Informação/UFMG e leitora–votante da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil. Coordenou os trabalhos de elaboração do Plano Municipal de Leitura, Literatura, Livro e Bibliotecas de Belo Horizonte

14 – Cláudia Lúcia Teixeira

Diretora da Biblioteca Municipal Baptista Caetano D’Almeida

15 – Cleide Fernandes

Diretora do Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas Municipais / Superintendência de Bibliotecas Públicas e Suplemento Literário da Secretaria de Estado de Cultura de Minas Gerais

16 – José Antônio de Oliveira Resende

Professor do Departamento de Letras, Artes e Cultura/UFSJ. É pós-graduado lato sensu em Língua Portuguesa/PUC-MG, Mestre e Doutor em Língua Portuguesa (ambos pela UFMG). No Doutorado, sua tese versou sobre a questão do livro didático de português, o que lhe rendeu, em 2007, o Prêmio UFMG de Teses. É escritor, poeta, compositor, ator, autor de peças teatrais e cronista. Também é o autor da letra e da música do Hino da UFSJ.

17 – Jadir Jânio da Silva

Graduado em Turismo pela UNISUL, desenvolve projetos culturais como o espetáculo Lendas São-joanenses. No FELIT, participa da mesa redonda Lendas São-joanenses/Lendas |Urbanas.

18 – Ulisses Passareli

Natural de São João del-Rei, Ulisses Passareli é formado em Odontologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, mas é grande agente cultural, onde se dedica ao estudo do folclore brasileiro, concentrando suas pesquisas sobretudo na área das festas e religiosidade popular, danças e folguedos. Tem mais de uma centena artigos publicados em diferentes jornais e periódicos especializados nessa área. É membro efetivo da Comissão Mineira de Folclore e Academia de Letras de São João del-Rei e um dos fundadores da Comissão Organizadora da Festa do Espírito Santo desta cidade, participando do resgate do Jubileu do Divino em 1998, sendo eleito Imperador do Divino nesse ano. Experiência participativa em Folias de Reis, Congados e festas diversas, sobretudo do Divino e Rosário. Criou e mantém dois blogs com mais de setecentos textos e postagens de autoria própria, disponíveis à consulta pública, TRADIÇÕES POPULARES DAS VERTENTES e MATOSINHOS: história & festas. Foi Superintendente de Cultura em São João del-Rei (2013-2016). Atualmente, trabalha com coordenação de patrimônio cultural.